URGENTE

Post Top Ad

Your Ad Spot

30 abril, 2010

Sempre Haverá um Rebolation…

animados1 Põe a mão na cabeça que já vai começaaaaaaaaaaaaaaaaaar....

Quem nunca ouviu o fatídico início do refrão da música mais tocada dos últimos meses? Oras, o Rebolation está na boca do povo, e não somente daqueles de classe média baixa. O Rebolation é um fenômeno até entre os mais abonados, que não resistem ao consistente (???) gingado deste novo clássico neobrega popular que comprova o rebolado extra(ordinário) do brasileiro.

Mas se o Rebolation faz sucesso hoje, a 'culpa' não é do tal Parangolé. A culpa é de uma 'herança maldita' de músicas 'fáceis', porém 'requebráveis', que teimam em surgir de tempos em tempos. Vai dizer que nunca desceu até a boquinha da garrafa, curtiu o TerraSamba ou andou na prancha? Tente negar que nunca – em um momento de fraqueza, nós sabemos – não se deixou levar pelo ritmo?

Sim, o brasileiro é um povo alegre, apesar das intensas e imensas dificuldades que enfrenta. Em meio a tanta desgraça, chega a ser um milagre encontrarmos tempo para sorrir e se divertir, apesar de tudo. Mas esta é a essência do ser humano, potencializada pela alegria brazuca de se permitir sorrir. E com a Copa do Mundo chegando, agora sim os problemas irão desaparecer. Ao menos, temporariamente. Caros amigos, contentem-se! Por aqui, sempre haverá um Rebolation...

2 comentários:

Eliana Belo disse...

As duas imagens que vc escolheu para esse post são apropriadíssimas (a que dança, então... nem se fala). O ursinho retrata fielmente nosso papel de bobalhões neste triste cenário comandado pelas indústrias fonográficas, que desprezam artistas talentosíssimos em detrimento desses lixos. Somos meros brinquedinhos desprovidos de análise crítica (pensam eles!). Por isso eu sou cada vez mais a favor das músicas "baixadas" na Internet. Abraços, Fábio!

Fábio Alexandre disse...

Eliana, a intenção era essa mesmo. Questionar a nossa aparente 'entrega' a tudo aquilo que nos é apresentado como bom, independente da raça, credo ou classe social.

É claro que, no final das contas, todos queremos ser felizes. Mas isso não nos impede de ser exigentes, certo? Ao menos, consigo mesmo...

Abraços!

Páginas