Falta pouco para que os Cinemas Multiplex Topázio possam exibir seu primeiro filme em 3D. No entanto, algumas pessoas não conseguem sentir os efeitos da tecnologia. Entenda agora porque certos espectadores não conseguem ver a imagem “saltar da tela”.

A onda dos filmes em 3D veio para ficar. A reboque de Avatar (EUA, 2009), muitos diretores e produtores de Hollywood prometem lançar cada vez mais películas com a novidade. Mas, infelizmente, algumas pessoas não podem aproveitar o melhor dessa tecnologia, porque não conseguem ver a imagem projetada para fora da telona.

Quando a visão é normal, os dois olhos captam a mesma cena, mas a partir de pontos angulares ligeiramente diferentes. O cérebro automaticamente funde as duas imagens numa só, gerando a ilusão de uma visão em profundidade, ou em três dimensões. A visão em 3D que vemos no cinema é formada pelo cérebro, de forma similar à formação das imagens em profundidade que experimentamos em nosso cotidiano.

"Quando os olhos apresentam uma reduzida acuidade visual, em um dos olhos (ambliopia), o indivíduo não consegue realizar a fusão de imagens, chamada de estereoscópica", explica Dr. José Geraldo, oftalmologista do Inob. A ambliopia tem como causas mais freqüentes o estrabismo ou erros de refração não corrigidos devidamente. Existe ainda a baixa de acuidade visual por privação causada pela presença de uma barreira que impeça a chegada da luz à retina de forma correta, impedindo a formação de uma imagem nítida em um dos olhos. "Para que a pessoa veja em terceira dimensão, ela precisa ter acuidade normal nos dois olhos, e caso apresente algum tipo de disfunção visual, é fundamental o uso de óculos ou lentes de contato corretivas sob os óculos 3D ", complementa.

Fonte: www.maxpressnet.com.br